domingo, 9 de agosto de 2020

SUGESTÃO DE LEITURA: A FUNDAÇÃO DO EXÉRCITO PORTUGUÊS

Hoje sugerimos aos nossos amigos a leitura do livro A Fundação do Exército Português.
Com contributos de vários especialistas. civis e militares, tais como João Gouveia Monteiro, José Varandas, Alexandre Sousa Pinto, João Vieira Borges, Manuela Mendonça, Mário Barroca e José Nunes da Fonseca, esta publicação pretende estimular o debate acerca do «momento fundacional» do Exército Português, data essa que é, afinal, intimamente relacionada com a data da fundação do reino.
O dia 25 de Julho é uma solução, mas não é consensual e existem outras visões/alternativas. 
Irá este livro relançar o debate?
É esse o nosso objectivo.
Boas Leituras!

terça-feira, 4 de agosto de 2020

SUGESTÃO DE LEITURA: A MÁQUINA ILUMINADA, COGNIÇÃO E COMPUTAÇÃO, DE LUÍS MONIZ PEREIRA

Hoje sugerimos anos nossos leitores o livro A Máquina Iluminada, cognição e computação, de Luís Moniz Pereira.
A obra de Luís Moniz Pereira não é mera divulgação científica. Sendo o autor protagonista de importantes desenvolvimentos na Inteligência Artificial, oferece-nos um mundo neste livro. Se a computação é hoje o ponto de vista privilegiado para ler a realidade, o livro que nos explica isso mesmo acaba por nos dar uma síntese do que conhecemos do próprio mundo.
Uma reflexão verdadeiramente imperdível para todos aqueles que gostam de saber mais sobre a evolução da inteligência artificial e, afinal do mundo em que vivemos.
Boas Leituras!

quarta-feira, 22 de julho de 2020

SUGESTÃO DE LEITURA: MUSEU DO AR EM IMAGEM DA AUTORIA DE CARLOS SENRA BARBOSA

Sugerimos vivamente aos nossos leitores o livro Museu do Ar em Imagem, da autoria de Carlos Senra Barbosa.
Este livro afinal conta-nos a história da Força Aérea Portuguesa em fotografias de alta qualidade que a impressão do livro não desmerece.
Possui legendas em português, e inglês, para enquadrar o leitor em cada momento, face ao tipo de aeronave, uniforme, armamento, e o mais diverso material do espólio dos três pólos do Museu do Ar.
Absolutamente indispensável para os amantes da aviação portuguesa.
Boas leituras!

sábado, 11 de julho de 2020

SUGESTÕES DE LEITURA: CRÍTICA AO PORTUGAL CONTEMPORÂNEO




São dois os livros que propomos aos nossos leitores. Da autoria de Octávio dos Santos sugerimos Um Novo Portugal, ideias de, e para, um país
A segunda sugestão tem coordenação de Gonçalo Amaral e contributos de vários autores. Estamos a falar do livro Justiça e Delinquência. 
O conceito editorial desta colecção rege-se pelos princípios da critica construtiva, e intelectualmente sólida, levada a efeito por autores de grande craveira intelectual e com responsabilidades nas mais diversas áreas do saber, da organização do Estado e do meio académico. 
O grande objectivo será levar ao leitor reflexões de qualidade que identifiquem os problemas e apontem soluções, rejeitando liminarmente a critica destrutiva e a maledicência, tão em voga nos dias que correm, simultaneamente tão prejudiciais à nação e ao Estado. Desta forma pretendemos contribuir para um futuro melhor, uma opinião esclarecida e, acima de tudo, para uma correcta análise dos problemas, sem nunca perder de vista a enorme vontade que todos têm de fazer parte da solução e nunca do problema. Desta forma, estamos convencidos que construiremos um futuro melhor, mais justo e mais equilibrado.
Boas Leituras!

sexta-feira, 26 de junho de 2020

SUGESTÃO DE LEITURA: BANDAS DE MÚSICA NA HISTÓRIA DA MÚSICA EM PORTUGAL

Hoje sugerimos vivamente aos nossos amigos o livro Bandas de Música na História da Música em Portugal, de Pedro Marques de Sousa.
Como nos é referido no prefácio do livro: A obra que aqui se apresenta procura aclarar algumas destas questões de história, evolução, repertório, práticas performativas, et all, disponibilizando ao leitor informação recolhida em fontes dispersas e de carácter muito variado. 
A história de cada banda é única no sentido mais objectivo da afirmação uma vez que as pessoas que foram construindo essa história são objectivamente diferentes de banda para banda, assim como diferentes são as realidades sociais e económicas de cada comunidade que sustenta cada banda. Tentar concatenar numa única obra informação tão dispersa e tão variada, que vai de dados históricos factuais a práticas de repertório, passando por observações feitas na primeira pessoa pelo autor; é uma missão de coragem. 
Há ao longo da obra uma vontade de sistematizar ideias e conceitos, uma vontade de unir pontos dispersos da história desta prática musical. Muito deste trabalho de sistematização resulta de deduções e de opiniões que o autor procura solidificar a partir de fontes primárias, secundárias e até de observações da sua vivência ou da de actores do meio com quem foi contactando ao longo da sua vida de “músico filarmónico".

quinta-feira, 25 de junho de 2020

NOVIDADE: A QUESTÃO DO GÉNERO E OS INSTRUMENTOS DE REGULAÇÃO INTERNACIONAL: A AGENDA MULHERES, PAZ E SEGURANÇA NA GNR

Estará brevemente disponível em livraria o livro A Questão do Género e os Instrumentos de Regulação Internacional: A Agenda Mulheres, Paz e Segurança na GNR, da autoria de Luís Malheiro.
Este livro é o resultado de um trabalho de investigação e venceu o prémio Mérito de Investigação 2020 da Cátedra Bernardo de Sá Nogueira, da Academia Militar.
Esta publicação é uma co-edição Academia Militar/Fronteira do Caos Editores.

terça-feira, 16 de junho de 2020

SUGESTÃO DE LEITURA: A BATALHA DE TORO


Hoje sugerimos vivamente a leitura do livro A Batalha de Toro da autoria de Marcelo Encarnação.

Quando Portugal arriscou a união ibérica sob a liderança de D. Afonso V.
Do lado oposto estavam Isabel e Fernando.
O rei português jurou defender a honra de sua sobrinha Juana e restaurá-la no trono, afastando a tirania de Isabel e Fernando. Contudo, o projecto esmoreceu assim que o monarca português compreendeu que estava envolvido num xadrez muito mais complexo do que havia julgado. Apesar de a fortuna ter sorrido a Afonso V nas primeiras etapas da guerra, aos poucos iam-se delineando os interesses privados antagónicos e as relações clientelares entre os castelhanos: conflitos com os franceses pela posse do Rossilhão; problemas em Navarra com beaumonteses a oporem-se aos agramonteses; querelas pela posse dos mestrados das ordens militares; e uma Castela já bastante dividida pela guerra civil. O rei português detinha um partido com sólidos apoios e podia ser mesmo o vencedor da empresa. Mas não tendo conseguido discernir e avaliar correctamente a situação de todas as forças em jogo, a missão afonsina conheceu o ponto crítico na famosa batalha de Toro, ferida a 1 de Março de 1476.
Conheça o enredo.
Boas Leituras!